Todos esperam que eu fale e ninguém permite que eu fale de você. Sem outro assunto, creio que todos querem mesmo é o meu silêncio.

** ** ** ** ** **

Concluí que a solidão que menos dói é a solidão sozinha, desacompanhada, exclusiva e, acima de tudo, única.

** ** ** ** ** **

Você agora é responsável também por outro grande problema meu – a inveja do meu amor.

 

14 de janeiro de 1990.

Anúncios

Se o mais importante fosse a atividade sexual, se pudéssemos mensurar felicidade com o número de transações, o ser humano mais feliz seria uma puta.

** ** ** ** ** **

Nós sempre estivemos impedidos de casar. Se acontecesse, você teria que adotar o meu sobrenome. E seria tudo muito incoerente, inaceitável. Afinal, você é muito doce.

** ** ** ** ** **

Inútil sobreviver à sua indiferença. Indiferente que haja uma sobrevida inútil. Ao mesmo tempo, sua indiferença é também inútil, pois agride mas não afasta. Aliás, nem a própria distância afasta. Muito menos a agressão intimida. A distância é inútil e a agressão, indiferente. Hoje, o que me agride é a distância, e o útil e o inútil me são absolutamente indiferentes. Só a vida sem você me intimida, me enfraquece, me fragiliza e me sufoca de saudade.

 

13 de Janeiro de 1990.

Volta em mim a expectativa da tua volta. Ruim que ela não aconteça e menos ruim pois ainda existe ao menos a expectativa. Bom que tu existas e melhor que estou perdendo o meu amor próprio e sei que vou te pedir perdão, logo.

 

11 de Janeiro de 1990.

O meu silêncio não representa vontade de me calar. Ao contrário, gostaria de gritar ao mundo tudo que você representa. Mas o meu grito é tão inútil como o silêncio, pois nada vai fazer você voltar p’ra mim.

 

10 de Janeiro de 1990.

Normalmente, quando a mulher não tem nada na cabeça, enche a barriga com um filho. Mas, como se não tivesse gerado e sim, o tivesse engolido inteiro.

** ** ** ** ** **

Ao lado do ancião que dia a dia envelhece em nós, há um jovem e belo menino contrastando que, todavia, envelhece junto. Viver é tentar conter este processo. Sobreviver é aceitá-lo.

** ** ** ** ** **

Quando o fato é a separação, nada separa a realidade do sonho, e quando não há sonho, a realidade é um imenso nada. Parece que tudo se une em torno da separação, mesmo que esta, de fato, represente o grande nada.

** ** ** ** ** **

Ao lado do ancião que dia a dia envelhece em nós, há um jovem e belo menino contrastando que, todavia, envelhece junto. Viver é harmonizar este processo, como se envelhecer fosse esse imenso crescendo em nós.

 

9 de Janeiro de 1990.